Paróquia de Nossa Senhora Aparecida

Rua Flórida, 975 - B. Barcelona

São Caetano do Sul - São Paulo

CEP: 09551-000

Fone: 4224-1612

E-mail para contato

 

1. Inicio

A Vila Barcelona nem tinha capela ainda. Mas o povo rezava. Luiz Milani, que chegou à Vila em 1933, percorria as casas com um grupo de católicos para rezar o Terço.

– O grupo fazia andanças por todo o bairro, durante a noite, no meio da lama e brejo. Nós nos esforçávamos bastante para que o bairro se transformasse em paróquia.

A primeira capela de Nossa Senhora Aparecida foi construída em terreno de 536 m² que a comunidade adquiriu a Celso Marchesan e Vacaro Buzato, na rua Particular, atual Nossa Senhora de Aparecida. Era 1949. Cada morador participava da Campanha do Metro adquirindo um ou mais metros de terreno para a igreja.

Luiz Milani presidiu, na época, a comissão de obras da capela, formada por Braz Lopes, Miguel Marcucci, Nicola Marafiotti, Fortunato Ricci, Antonio Dezena, Orlando Ricci, Vasco Corniani, Manoel Ribeiro dos Santos, Vitório Marcucci, José Castellano Hernandez e Domingos Ricci. Ali o padre Ezio Gislimberti, da igreja Sagrada Família, comparecia mensalmente para celebrar uma missa, a partir da primeira, que ele celebrou em 7 de setembro de 1949.

Em março de 1953, os moradores se reuniram novamente e compraram um terreno de 1.500 m² de Eugênio Primo Morelato, localizado na esquina da rua Oriente com a rua Flórida – onde hoje é a praça Vereador Sebastião Laureano dos Santos -  para a construção de uma nova capela, inaugurada em setembro. A nova capela era menor que a anterior.

Em 25 de março de 1955, era criada a Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, sendo que logo após, o padre Canisio van Herkhuizen tomava posse como primeiro vigário do bairro. Ainda em 1955, a Prefeitura doava à igreja um terreno de 1.000 m².

Paralelamente, a Vila Barcelona assistia, naqueles anos 50, à construção de igrejas de outras denominações. Os ucranianos ergueram um dos mais belos templos de São Caetano, a igreja Ortodoxa Ucraniana Autocéfala, na rua dos Ucranianos, inaugurada em 1953. E outra igreja Ortodoxa era construída na rua Oriente, esquina com a rua Campos Sales, já no bairro Santa Maria.


2. A Liga Católica Jesus, Maria e José

Na Igreja Católica, destacava-se na Vila Barcelona a ação dos liguistas – integrantes da Liga Católica Jesus, Maria e José, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Os liguistas tinham uma função espiritual. Animavam celebrações, participavam de procissões, celebravam terços nas casas das famílias, se organizavam em diretorias, onde havia a figura de presidente e demais membros, e também do prefeito-geral, vice-prefeitos e conselheiros.

A primeira diretoria, eleita em agosto, tomou posse em 7 de setembro de 1955, data oficial da instalação da entidade.

A primeira Liga Barcelona esteve assim formada:

  • Presidente: Luiz Milani;
  • Vice-Presidente: José Natalino Tonetti;
  • 1º Secretário: José Tenório da Silva;
  • 2º Secretário: Arnaldo Sigolo;
  • 1º Tesoureiro: Antonio Tonetti;
  • 2º Tesoureiro: Ettore Milani;
  • Prefeito-Geral: Gaetano Milani;
  • Vice-prefeitos: Benedito Biggi, Alderige Biggi, João Paulo de Oliveira Lopes e Ângelo Biggi;
  • Conselheiros: Adolfo Eisinger, Roque Stilhano, Luiz Sotério, Amélio Rossini, João Zanetti, João Venezian e José Zanetti.

Os liguistas participavam das obras de construção da nova igreja da Vila Barcelona. Havia a obrigatoriedade de uso do distintivo da Liga na lapela dos paletós e dos cordões nas missas e terços. Os membros da diretoria usavam cordões vermelhos e os liguistas sem cargos usavam cordões verdes.

Havia um caráter comunitário entre os membros da Liga, que promoviam visitas às casas, auxiliavam nas quermesses, faziam intercâmbio com as demais Ligas da região. Em São Caetano, em 1956, existiam as seguintes ligas: da Sagrada Família, Nossa Senhora as Candelária, Nossa Senhora das Graças, Sagrado Coração de Jesus (Vila São José), Bairro Fundação e Vila Prosperidade.


3. A imagem de Nossa Senhora Aparecida


Imagem de Nossa Senhora AparecidaEm outubro de 1956, na maior empolgação religiosa, a Vila Barcelona festejou muito a chegada e a entronização da imagem de Nossa Senhora Aparecida, oferecida pelo padre Donizzetti, de Tambaú, de muita popularidade à época.


A imagem é semelhante a imagem original encontrada no Rio Paraíba e guardada na Basílica Nacional de Aparecida, porém feita de madeira.



4. A nova igreja

No começo da década de 60, o padre Canísio começou uma nova campanha pela construção de um templo maior, pois a população do bairro havia crescido muito desde 1955 e a capela já não comportava mais a comunidade. Desta vez porém o sonho do povo católico demorou a se concretizar.

Padre Olavo celebrando a missaEm 1966 o padre Canísio afastou-se e assumiu provisoriamente a paróquia o padre Jorge Nogueira, que muito lutou para para iniciar a construção, mas foi somente com a nomeação do jovem e dinâmico padre Olavo Paes de Barros Filho como pároco, em fevereiro de 1968, que o sonho do novo templo começou a se realizar.

O Pe. Olavo, assim que assumiu, começou a dinamizar e motivar os movimentos e pastorais existentes na paróquia, como o Apostolado da Oração, a Legião de Maria e os Irmãos do Santíssimo, dando também condições para uma catequese consciente e responsável.

Em maio de 1968 fundou a Associação das Senhoras Católicas, que além de participar das celebrações litúrgicas, trabalhava para angariar fundos e poder manter as necessidades da paróquia. Através reuniões, debates e planos conseguiu formar a Comissão Pró-Construção da nova igreja, comissão liderada por ele, padre Olavo, e contando com os seguintes colaboradores: vereador Sebastião Laureano dos Santos, Cyro Rocha, José Tenório da Silva, João Gallo e Mª Aparecida Valdarmini Lopes, então presidente da Associação das Senhoras Católicas.

Já no fim de 1968 a construção da nova igreja estava em franco progresso e com a visita do Cardeal Dom Agnelo Rossi, Arcebispo de São Paulo, o movimento pró-construção recebeu um grande incentivo.

Em abril de 1972 foi possível iniciar a utilização do novo templo, mesmo com a obra ainda inacabada, e foi então demolida a velha capela.


5. A imagem do Cristo no altar

Em 1972 o padre Olavo encarregou o artista plástico Juliano Gonzáles Garcia de fazer uma imagem em mogno de Jesus na cruz, porém queria que a imagem representa-se Jesus já glorificado após a Ressurreição e transmitisse serenidade e paz.

Imagem do CristoNessa época Mª Aparecida Valdarmini, secretária da igreja, ia até o atelier do artista Juliano Gonzáles, localizado em Rio Grande da Serra, para acompanhar a obra praticamente todos os dias, e quando ela não podia ir o padre Olavo ia pessoalmente. Conta que o artesão usou três troncos de mogno que ele preparou recortando em pranchas e unindo-as para realizar a escultura.

Depois de preparada, ele começou a esculpir o Cristo pelos pés, tomando o máximo cuidado para não perder o material. Meses depois a escultura estava quase pronta, faltando apenas o rosto do Nosso Senhor. Foi quando o artesão Juliano pediu para que eles não fossem mais até lá, que ele avisaria quando ficasse pronto.

Passarem-se alguns dias, e o padre Olavo ficou preocupado com a falta de noticias, até que uma semana depois, Juliano os chamou perto do meio-dia. Quando chegaram o rosto de Jesus estava encoberto por um pano, e ele contou que durante esses dias todos não havia conseguido terminar a obra, pois lhe faltara inspiração. Porém, naquele dia, ele acordara as 5 horas da manhã com a imagem do rosto de Cristo na mente, e começou a trabalhar sem parar até que a concluiu, perto do meio-dia.

Quando retiraram o pano, o padre Olavo emocionou-se, pois o artista tinha conseguido realizar o que ele pedira: o rosto de Jesus nos transmite serenidade, passando uma sensação de paz e alegria para aqueles que o contemplam.

A imagem, com 3,5 metros de altura e pesando aproximadamente uma tonelada, foi entregue em 1973 e colocado no centro do altar.

6. A procissão de Corpus Christi e o Campanário

Campanário do SantuárioNesse mesmo ano de 1973, o padre Olavo incentivou a confecção de tapetes de serragem colorida e outros materiais nas principais ruas do bairro para a Procissão de Corpus Christi, costume que se manteve até o inicio dos anos 80.

Em 1976 foi entregue o Campanário, obra no mesmo estilo moderno da igreja e que representa a pesca milagrosa da imagem de Nossa Senhora Aparecida no Rio Paraiba.

Padre Geraldo

O padre Olavo permaneceu na Paróquia até o ano de 1982, sendo substituido pelo padre Geraldo Voltolini, atual paróco, que exercia a função de padre cooperador na paróquia desde 1971


* Extraido do livro "Migração e Urbanização" de Ademir Medici e depoimentos de pessoas da comunidade.


Apoio